20

Nova técnica de cirurgia bariátrica é aprovada no Brasil

Nova técnica de cirurgia bariátrica é aprovada no Brasil

A cirurgia de redução de estômago, procedimento cujo número de cirurgias cresce mais do que as de lipoaspiração e de implante de silicone no País, acaba de ganhar uma modalidade mais “light”.

Nova técnica de redução de estômago já é utilizada em hospitais brasileiros

O Conselho Federal de Medicina (CFM) aprovou a técnica chamada gastrectomia vertical, o que fez ampliar para três as opções de cirurgia bariátrica existentes no Brasil. A principal diferença dela para os outros dois tipos existentes (banda gástrica ajustável e o by-pass gástrico) é que a gastrectomia é menos invasiva, modifica o tamanho do estômago sem mexer na anatomia do intestino.

Aprovada no final do ano passado, a versão mais light começa a ganhar agora os principais hospitais cirúrgicos. O presidente da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica, Thomaz Szego, diz que uma das vantagens da nova técnica é que ela compromete menos a absorção de nutrientes do organismo, como acontecia com os métodos mais antigos. “Pode ser recomendada para quem já tem alguma deficiência de cálcio (osteoporose) ou de vitaminas”, afirma Szego.

Magro pode?

Marcelo Z. Salem, cirurgião de aparelho digestivo pela Universidade de São Paulo e membro da Federação Internacional de Cirurgias da Obesidade (IFSO), completa a lista do grupo recomendado para a nova técnica bariátrica: pacientes com risco cirúrgico muito alto, por exemplo, com algum comprometimento cardíaco. “É uma espécie de meia cirurgia, que só é feita no estômago, e diminui os impactos no corpo”, explica o cirurgião. Segundo ele, a nova técnica desponta como uma tendência futura, ainda a ser estudada. “Se ela (cirurgia) se mostrar uma técnica boa e com poucos efeitos colaterais, pode ser que no futuro o CFM flexibilize as normas para que esta cirurgia seja feita em pessoas não tão obesas. Mas o Conselho de Medicina ainda exige mais indícios científicos para respaldar essa regulamentação”, informou Salem.

Atualmente, só podem fazer cirurgias bariátricas pessoas extremamente obesas, com índice de massa corpórea (IMC) acima de 40 – para calcular é preciso dividir o peso pela altura ao quadro. Quem tem IMC 35 e alguma doença crônica (como diabetes) também está liberado para ir para a mesa de operação. Em todos os casos é preciso avaliação médica e o paciente deve ter mais do que 16 anos.

Pontos contras da nova bariátrica

Da mesma forma que os médicos reconhecem os benefícios da técnica gastrectomia vertical, eles também enxergam desvantagens. Por ser muito recente ainda não há dimensão concreta dos seus possíveis efeitos colaterais e também da sua eficácia.

É fato que para ter sucesso no processo de emagrecimento, o paciente precisa ter mudanças de hábitos com relação à alimentação, mesmo após a cirurgia de redução do estômago. Segundo a Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica, atualmente, o índice de reganho de peso após o procedimento cirúrgico é de 10%. A técnica mais light da bariátrica, justamente por ser menos invasiva, pode ter uma taxa de insucesso maior que só conseguirá ser calculada em cinco anos, no mínimo.

O perfil do operado

Durante o ano passado, foram realizadas 30 mil cirurgias bariátricas no País, um aumento de 10% em relação ao total de 2008. É uma das técnicas cirúrgicas que mais cresce. Para efeitos de comparação, no intervalo de 12 meses, as lipoaspirações e implantes de silicone aumentaram 3,5%.

As mulheres são maioria entre os operados e somam 60% no total de cirurgias. A faia etária mais recorrente é entre 20 e 40 anos. A liderança feminina é explicada por elas serem maioria no grupo de obesos (o dobro segundo a Associação Brasileira de Estudo para Obesidade) e também por sofreram mais os impactos sociais dos quilos extras. “A paciente obesa já se coloca em segundo plano. É a melhor amiga da menina bonita, acompanhante, motorista dos filhos das irmãs. O emagrecimento puxa a vontade de ir à academia, comprar roupas e de conquistar uma melhor qualidade de vida social”, afirma o cirurgião digestivo Marcelo Z. Salem.

Impacto social

Por ter influência direta na vida do operado de cirurgia bariátrica, as pesquisas clínicas têm focado em mensurar as transformações sociais após a cirurgia bariátrica. Pesquisadores de Pernambuco e Florianópolis, por exemplo, já começaram a reunir dados sobre as transformações após a operação, segundo o Caderno de Saúde Pública.

FONTE: IG DELAS

Fundadora do MagraEmergente.com, ex-obesa mórbida, tendo emagrecido mais de 85kg após cirurgia de redução de estômago.

20 Comentários para “Nova técnica de cirurgia bariátrica é aprovada no Brasil”
  1. debora comentou:
    • Tiane Brites comentou:
  2. Joana Cristina comentou:
  3. Jozelca comentou:
  4. Rosalina comentou:
  5. Vicente Ribeiro comentou:
    • Elaine comentou:
  6. GISELE MARIA CAVALCANTI SOUSA comentou:
  7. surama comentou:
  8. surama comentou:
  9. Polly comentou:
  10. Giselle comentou:
  11. Sérgio Oliveira comentou:
  12. Carla comentou:
  13. Polyane comentou:
  14. Paula comentou:
  15. daiane comentou:
  16. miriam comentou:
  17. fabiana comentou:

Deixe um Comentário

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *